Get Adobe Flash player
November 2020
T F S S M T W
« Sep    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Uma árvore cada vez mais presente em Portugal, mas originária da Austrália!!

Uma árvore cada vez mais presente em Portugal, mas originária da Austrália!

Ultimamente tenho estado mais atento á nossa Biodiversidade, as nossas florestas, animais, no fundo á nossa beleza natural e temos muita acreditem.
 Áreas enormes da nossa floresta são abatidas para a produção de pasta de papel, através do Eucaliptos, uma árvore lindo na minha perspectiva, imponente, esguia e cheirosa, mas tendo um mínimo de conhecimento geral, sabendo que não são oriundas destes lados e que koalas só na Austrália senti que algo não estaria certo, vendo com mais atenção e pesquizando melhor, eis que a desconfiança torna-se numa verdade horrível.
O eucalipto é uma espécie folhosa originária da Austrália e foi introduzido em Portugal há quase duzentos anos com o intuito de promover a drenagem dos solos pantanosos, visto tratar-se de uma espécie de elevada capacidade de absorção de água.

Em condições climáticas favoráveis pode atingir no território do continente entre 45 e 60 m da altura e produzir mais de 30 m3 de lenha por hectare e por ano.
Mas nem tudo é bom, como sendo uma espécie invasiva foram detectadas modificações nos valores de características físicas do solo, nomeadamente na densidade, porosidade, compactação e permeabilidade para a água.
O Eucalipto caracteriza-se por imobilizar elevadas quantidades de nutrientes na biomassa. O nutriente imobilizado em quantidade mais elevada é, o cálcio. Contudo, o processo de decomposição das folhas de Eucalipto é rápido e liberta durante o primeiro ano a maior parte do potássio e do magnésio. O cálcio é libertado lentamente já o azoto e o fósforo apresentam comportamentos intermédios.
Mas é no ciclo hidrológico que o Eucalipto mais afecta as nossas terra e florestas.
Foi realizado um trabalho sobre as influências hidrológicas dos Eucaliptos em Portugal.
“Os resultados parecem sugerir que os consumos locais, por evapotranspiração, são mais baixos nos montados de sobreiros e no mato de esteva, e mais elevados nos eucaliptos, nomeadamente quando a armação do terreno é em terraços. Constata-se que as raízes do eucalipto são superficiais e só uma delas, o espigão, penetra mais profundamente na rocha. Este facto faz com que a absorção de água se dê preferencialmente nas camadas mais superficiais.”
Na região de Odemira, onde se constatou que a maior parte das fontes existentes na Serra de Ossa, das catorze fontes observadas apenas três forneciam um caudal aceitável, cerca de 400 l/h, para a época do ano (Maio/Junho). As restantes estavam secas ou apresentavam um caudal muito pequeno, Revela um estudo realizado.
Segundo os habitantes de algumas zonas, quando numa determinada área do Eucaliptal se realizam cortes de árvores, pouco tempo depois (cerca de um ou dois anos) há um aumento considerável do caudal das fontes.
Também com a plantação de Eucaliptos as populações originais foram “obrigadas” abandonar os seus terrenos, deixando essas estruturas ao abandono, pelo que hoje se pode observar o aspecto degradado que na sua maioria apresentam.
Tendo em conta os factos, os eucaliptos têm grande influência sobre os recursos hídricos subterrâneos por serem plantados em regime muito denso. Numa floresta densa, a evapotranspiração é muito mais elevado que a infiltração o que contribui grandemente para o empobrecimento do solo em água e para uma redução significativa da mesma na zona de água subterrânea que circula sobre a rocha mais compacta.
“O Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB) quis classificar o eucalipto como espécie invasora ou com risco ecológico, ou seja, como uma árvore que põe em risco o equilíbrio ecológico, o que iria impor uma série de restrições ao seu uso, mas há cerca de um mês e sem revelar os motivos, optou por abandonar a proposta. Fonte oficial do ICNB confirma a proposta, mas garante, sem adiantar qualquer justificação, que a ideia já foi abandonada.
O eucalipto é uma espécie rapidamente consumida pelo fogo o que torna-a um perigo para a nossa floresta e de acordo com dados oficiais, é actualmente a árvore mais presente em todo o país, segundo um estudo feito, a pedido da Autoridade Florestal Nacional, pela Liga para a Protecção da Natureza indica que 26 por cento da floresta portuguesa é ocupada por Eucaliptos.”
Na minha opinião é uma vergonha que a indústria de pasta de papel controle as nossas florestas, nem mesmo o facto de termos uma suposta política que cela pelas florestas portuguesas consegue fazer frente aos interesses económicos.
As nossas florestas estão-se a modificar completamente, pondo em risco toda Biodiversidade nela existente, fiquem a saber que na Europa somos dos países com maior riqueza natural, flora e animais, belos e únicos no mundo que estão em risco por um interesse absurdo, é óbvio que a produção de pasta de papel é um contributo enorme para a nossa economia, sem ela iriamos ressentir bastante, mas porque não uma política de controlo ou de demarcar locais específicos para a plantação do Eucalipto para protegermos a nossa floresta? Tudo isto terá uma factura, um preço que será bastante caro e iremos pagar a longo prazo.

Publicada por Luís Carqueijeiro em 20:39

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Search

Archives